O BLOG do Apólogo

mais sobre mim

os mais recentes

Rir a bandeiras despregad...

...

Grécia - A coisa mais fas...

Governo da Grécia anuncia...

Jardins-de-infância "inac...

O novo fenómeno Papa Fran...

Jardim e os testículos do...

Ania Thiemann e os Alemãe...

Coligação treme. Portas c...

OCDE agrava recessão prev...

O Orçamento mais estúpido...

Corte de 5% no subsídio p...

Maioria PSD/CDS-PP aprova...

Salários em atraso dispar...

Cessar fogo na faixa de G...

Execução orçamental - As ...

Quando o solução para os ...

Empresas alemãs “congelam...

Há muito mais pobres do q...

Uma bela confusão!!! Ante...

Casa Pia não acaba e a ve...

Hamas e Israel .. E conti...

Câmara de Lisboa baixa im...

Manifestação em frente ao...

A China e a mudança de po...

Veneza inundada

Austeridade , Austeridade...

Turismo e nostalgia do co...

Novos dirigentes do Estad...

Cada um tem o que merece

guardados

tags

todas as tags

Sexta-feira, 9 de Março de 2007

Pague menos imposto, pagando mais ...

 


 

A história é sempre a mesma: esta tentação, em Portugal, de resolver problemas aumentando os impostos.

A situação financeira é pereclitante e o esforço para baixar a despesa parece insuportável. Penso eu que há muita gente às voltas na cama a pensar onde arranjar dinheiro e alguém apareceu com esta ideia luminosa de aumentar os impostos, parecendo que se baixa.

Faz-se assim: baixa-se, à partida, o imposto de quem compra carro de forma a que seja possivel baixar um pouco o preço de compra e até parece que baixamos o imposto. Depois cobramos durante dez anos um outro imposto anual, como prestações, acabando por cobrar  mais, et voilá, no fim de tudo, contas feitas, fartamo-nos de ganhar dinheiro e aumentámos o imposto ser ninguém dar por isso. À mistura salpicamos a lei com normas de discriminação "ecológicas" e "amigas do ambiente" que ficam sempre bem a adornar o pacote e que ninguém se atreve a contestar. Cá temos a lei que aumenta os impostos, baixando.

Esta forma de governar escondendo as contra-medidas com as medidas é um rumo ínvio e vai ter custos, engº Sócrates. Além de que é mais do mesmo e o senhor merecia fazer melhor; melhor dizendo, todos nós mereciamos muito melhor.

Melhor será, com coragem, reformar mesmo e de facto, diminuindo, mesmo e decisivamente a despesa. Isso levará a baixar a carga fiscal sobre todos (nunca a aumentar), o que terá como consequência um franco desenvolvimento económico, com decisivo aumento das receitas, por este facto, o que permite mais investimento do estado, novas reformas e outro equlíbrio fiscal e de novo franco desenvolvimento, num ciclo positivo que nos permita sair desta situação de cepa torta a que temos estado condenados, há tanto tempo que até já falha memória aos mais distintos arquivos, desde o insigne reino até à ilustre república.

Menos do que isto é uma falha imperdoável, um temível acanhamento e uma inaceitável penúria de acção perdendo-se  uma oportunidade, quem sabe única, de mudar mesmo o país.  

 


publicado por apólogo às 23:51

link do post | comentar | favorito
|

pesquisar

 

Junho 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


Receba notícias nossas
Diga-nos o seu nome e endereço de e-mail:
Nome:
E-mail:
subscrever Sair

Contador

Obama's Complete Victory Speech: Obama Wins the 2012 Election

subscrever feeds