O BLOG do Apólogo

mais sobre mim

os mais recentes

Rir a bandeiras despregad...

...

Grécia - A coisa mais fas...

Governo da Grécia anuncia...

Jardins-de-infância "inac...

O novo fenómeno Papa Fran...

Jardim e os testículos do...

Ania Thiemann e os Alemãe...

Coligação treme. Portas c...

OCDE agrava recessão prev...

O Orçamento mais estúpido...

Corte de 5% no subsídio p...

Maioria PSD/CDS-PP aprova...

Salários em atraso dispar...

Cessar fogo na faixa de G...

Execução orçamental - As ...

Quando o solução para os ...

Empresas alemãs “congelam...

Há muito mais pobres do q...

Uma bela confusão!!! Ante...

Casa Pia não acaba e a ve...

Hamas e Israel .. E conti...

Câmara de Lisboa baixa im...

Manifestação em frente ao...

A China e a mudança de po...

Veneza inundada

Austeridade , Austeridade...

Turismo e nostalgia do co...

Novos dirigentes do Estad...

Cada um tem o que merece

guardados

tags

todas as tags

Sexta-feira, 18 de Maio de 2007

O Sarkozy e o Mundo - Coerências

Pois é. A política já não é o que era e, melhor ainda: o Mundo já não é o que era (Ou o que nunca foi, mas nós pensávamos que era).
 
Para sobreviver, neste Mundo cada vez mais volátil, temos que ter a capacidade de fazer um "reset" periodicamente. Limpar tudo o que se pensa e voltar a pensar tudo de novo. Isto não é novo, também. Toda a malta destas gerações que têm agora entre os 40 e os 60 anos, creceram com a convicção de que tudo pode e deve ser posto em causa, reequacionado, e reinventado. Mas, depois dessa fase, ficam pior que os avós, porque são mais informados, mas ainda mais casmurros: acham que o que pensavam com 20 ou 30 anos, nunca muda. Mas já mudou. Repensem outra vez. Reinventem novamente. Ponham tudo em causa e cheguem a novas conclusões. Isto deve ser feito a cada geração, a cada 20 ou 30 anos.
 
O Cunhal é que achava que a verdade estava encontrada levando ao extremo a teoria da coerência. Mas, estar errado nunca é coerente com Humanidade. Pensar as coisas mal pensadas nunca é coerente com inteligência. Persistir em erros e errar por recorrência, nunca é coerente com nada. Isto digo eu! Mas há quem pense que sim. Coerências.
 
do PUBLICO:
 
Bernard Kouchner é um dos nomes cimeiros, mais respeitados, polémicos e populares da política francesa. Foi secretário da União dos Estudantes Comunistas, opondo-se à guerra do Vietname e ao alinhamento do PCF com a URSS. Fundou os Médicos Sem Fronteiras e mais tarde os Médecins du Monde. Liderou o apoio em França aos boat people que fugiam do Vietname comunista após 1975. Um pouco por todo o lado esteve junto dos "combatentes da liberdade" e das vítimas das tragédias humanitárias em África e na Ásia, atacando os genocídios e crimes contra a humanidade (Afeganistão, Curdistão, Sudão, Libéria, Iraque, Sarajevo). Foi secretário de Estado para a Acção Humanitária de Rocard e, durante esse tempo, continuou a ser politicamente incorrecto e a aplicar aquilo a que Revel chamou "o direito de ingerência" nos assuntos internos de países que não respeitam minimamente o direito à vida e à dignidade humana dos seus cidadãos. Entre 1999 e 2001 foi administrador civil (uma espécie de pró-cônsul da Comunidade Internacional) no Kosovo. Desde sempre se afirmou admirador de De Gaulle.
O homem que tem esta biografia, que respiguei de Le Figaro, foi convidado para ministro dos Negócios Estrangeiros por Sarkozy. O convite causou perturbação à direita e gritos de traição à esquerda, tanto mais que foi apoiante de Ségolène Royal, defendendo que ela deveria abrir ao centro sem preconceitos e que disso dependeriam as suas possibilidades de ser eleita para o Eliseu

 



publicado por apólogo às 21:41

link do post | comentar | favorito
|

pesquisar

 

Junho 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


Receba notícias nossas
Diga-nos o seu nome e endereço de e-mail:
Nome:
E-mail:
subscrever Sair

Contador

Obama's Complete Victory Speech: Obama Wins the 2012 Election

subscrever feeds