O BLOG do Apólogo

mais sobre mim

os mais recentes

Jardins-de-infância "inac...

Há muito mais pobres do q...

guardados

tags

todas as tags


Terça-feira, 11 de Junho de 2013

Jardins-de-infância "inacessíveis" a famílias pobres

 

"Estudo

Jardins-de-infância "inacessíveis" a famílias pobres

por Lusa, texto publicado por Sofia Fonseca.

 

A maioria dos jardins-de-infância públicos em Portugal não cumpre os seis escalões de mensalidade previstos na lei e opta por um preço médio, inviabilizando a frequência das crianças oriundas das famílias mais desfavorecidas, concluiu uma investigadora da Universidade do Minho.

Segundo Emília Vilarinho, nos casos em que não é fixada uma mensalidade fixa o habitual é haver até três escalões.

"Certos pais pagam cerca de 55 euros quando, pelos seus rendimentos 'per capita', se situam no primeiro escalão e deveriam pagar de 17 a 21 euros, no máximo", explicou.

Acrescentou que, por norma, e "para evitar confusões", em reuniões de pais é definido um valor mensal médio."

 

 

http://www.dn.pt/inicio/portugal/interior.aspx?content_id=3265513

 

 

Poix ... a forma como o estado subidia estas instituições de solidadriedade social, pagando um subsídio por criança sempre igual independentemnte do rendimento do agregado familiar , tem esta consequência !!!! Todos os jardins de infância querem as crianças dos agregados familiares com mais dinheiro, porque podem receber o mesmo do estado e amis dinehrio do agregado faniliar . Assim, as crianças mais pobres e de agregados familiares mais problemáticos são colocadas intensionalmente fora do sistema de forma sistemática. E o estado paga !!!!

 


publicado por apólogo às 15:59

link do post | comentar | favorito
|

Domingo, 18 de Novembro de 2012

Há muito mais pobres do que as estatísticas oficiais contabilizam - Público

"Há muito mais pobres do que as estatísticas oficiais contabilizam

18.11.2012 - 10:49 Por Andreia Sanches, Raquel Martins

 

Especialista apresenta novos cálculos que dizem que em 2010 já havia mais 160 mil pobres do que os anunciados pelas estatísticas oficiais. Hoje serão muitos mais.

 

Algumas das prestações sociais destinadas aos grupos mais vulneráveis da população têm vindo a perder força. A taxa de cobertura do subsídio de desemprego desceu de 37% para 33% entre 2005 e 2012. Ou seja, há mais gente sem trabalho que não tem subsídio. A prestação do rendimento social de inserção (RSI), uma medida destinada aos mais pobres entre os pobres, tem baixado. E em 2013 o Estado vai gastar menos 22,7%. A pensão por velhice também teve uma redução de 43 euros entre 2009 e Agosto de 2012. E o complemento solidário para idosos (CSI), que nasceu em 2006 para atenuar a pobreza entre os pensionistas, vai sofrer um corte orçamental de 11,2%.

 

Com este cenário, muitos questionam-se sobre quão longe estão da realidade as estatísticas oficiais sobre pobreza no país - as últimas são de 2010. Os dados do Instituto Nacional de Estatística (INE) revelam que, há dois anos, 18% da população - cerca de 1,8 milhões de portugueses - vivia abaixo do limiar da pobreza (421 euros por mês). Porém, cálculos feitos para o PÚBLICO por Carlos Farinha Rodrigues, investigador do Instituto Superior de Economia e Gestão (ISEG), mostram que mesmo nesse ano o peso das pessoas com dificuldades pode ter sido superior: 19,6% dos portugueses. São mais cerca de 160 mil pessoas a somar aos 1,8 milhões oficiais. De então para cá, acredita, muitos mais se lhes terão juntado."

 

Ler mais

 

Público


publicado por apólogo às 16:52

link do post | comentar | favorito
|


pesquisar

 

Junho 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


Receba notícias nossas
Diga-nos o seu nome e endereço de e-mail:
Nome:
E-mail:
subscrever Sair

Contador

Obama's Complete Victory Speech: Obama Wins the 2012 Election

subscrever feeds