O BLOG do Apólogo

mais sobre mim

os mais recentes

Rir a bandeiras despregad...

...

Grécia - A coisa mais fas...

Governo da Grécia anuncia...

Jardins-de-infância "inac...

O novo fenómeno Papa Fran...

Jardim e os testículos do...

Ania Thiemann e os Alemãe...

Coligação treme. Portas c...

OCDE agrava recessão prev...

O Orçamento mais estúpido...

Corte de 5% no subsídio p...

Maioria PSD/CDS-PP aprova...

Salários em atraso dispar...

Cessar fogo na faixa de G...

Execução orçamental - As ...

Quando o solução para os ...

Empresas alemãs “congelam...

Há muito mais pobres do q...

Uma bela confusão!!! Ante...

Casa Pia não acaba e a ve...

Hamas e Israel .. E conti...

Câmara de Lisboa baixa im...

Manifestação em frente ao...

A China e a mudança de po...

Veneza inundada

Austeridade , Austeridade...

Turismo e nostalgia do co...

Novos dirigentes do Estad...

Cada um tem o que merece

guardados

tags

todas as tags

Quinta-feira, 28 de Julho de 2011

Contra o Despotismo e Liberdade: Bocage

Contra o Despotismo

 

SANHUDO, inexorável Despotismo

Monstro que em pranto, em sangue a fúria cevas,

Que em mil quadros horríficos te enlevas,

Obra da Iniquidade e do Ateísmo:

 

Assanhas o danado Fanatismo,

Por que te escore o trono onde te enlevas;

Por que o sol da Verdade envolva em trevas

E sepulte a Razão num denso abismo.

 

Da sagrada Virtude o colo pisas,

E aos satélites vis da prepotência

De crimes infernais o plano gizas,

 

Mas, apesar da bárbara insolência,

Reinas só no ext'rior, não tiranizas

Do livre coração a independência.

 

Liberdade

 

 LIBERDADE, onde estás ? Quem te demora ?

Quem faz que o teu influxo em nós não caia ?

Porque (triste de mim !) porque não raia

Já na esfera de Lísia a tua aurora ?

 

Da santa redenção é vinda a hora

A esta parte do mundo, que desmaia.

Oh ! Venha... Oh! Venha, e trémulo descaia

Despotismo feroz, que nos devora !

 

Eia! Acode ao mortal que, frio e mudo,

Oculta o pátrio amor, torce a vontade.

E em fingir, por temor, empenha estudo.

 

Movam nossos grilhões tua piedade;

Nosso númen tu és, e glória, e tudo,

Mãe do génio e prazer, oh Liberdade!

 

Bocage

tags: ,

publicado por apólogo às 12:00

link do post | comentar | favorito

5 comentários:
De Anónimo a 28 de Fevereiro de 2005 às 20:55
bocage, um génio! Lindos poemas!Ocean
(http://www.openroad.blogs.sapo.pt)
(mailto:ocean_cool@sapo.pt)


De Anónimo a 28 de Fevereiro de 2005 às 14:45
Tambem já publiquei bocage. Ele tem destas coisa, genialidades, o meu foi um pouquinho pior, era o poema da água, e tinha muitos pisssssssss. Continuações tudo bomPlantaCarnívora
(http://Aseivadosolidadgo.blogs.sapo.pt)
(mailto:seivadosolidago@sapo.pt)


De Anónimo a 28 de Fevereiro de 2005 às 12:50
oi gostei bue do teu blog e prometo cá voltar kd poderes visiita tb o meu em http://blogdanita.blogs.sapo.pt bjsana
</a>
(mailto:anasofia_16@msn.com)


De Anónimo a 28 de Fevereiro de 2005 às 12:10
à poeta! Da minha janela, aquele abraço...Azenhas
(http://azelhasdomar.blogs.sapo.pt)
(mailto:azenhas@gmail.com)


De anA a 29 de Fevereiro de 2008 às 13:49
Procurei Bocage e parei por aqui.
Bocage,Fernando Pessoa e outros poetas,Timor,poesia, tb são assuntos de meu interesse.
Convido-te a dar por lá uma olhadela.
Cumprimentos
anA


Comentar post

pesquisar

 

Junho 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


Receba notícias nossas
Diga-nos o seu nome e endereço de e-mail:
Nome:
E-mail:
subscrever Sair

Contador

Obama's Complete Victory Speech: Obama Wins the 2012 Election

subscrever feeds